terça-feira, 14 de março de 2017

Não queria que você fosse, que ficasse inacessível agora. Sei que lhe conheço a pouco, e mesmo que seja um pouco mais os outros, ainda é pouco. Não que existam verdades que demandem tempo para as palavras, é que são muitos dizeres. Dizeres até atordoantes, até chatos, até desinteressantes, até estúpidos: aqueles cujas torpeza e vulgaridade desencorajam qualquer escuta.E são longas as horas nas quais a escuta me fora negligenciada.
Não julgo, ou melhor: julgo todas, não condeno ninguém, nem ouvido, nem escuta, nem palavra. São essas coisas sabe? que vão perdendo a voz em lamúrias pelos cantos, mas não só lamúrias: os cantos e os contos silenciados nas esquinas, nas esquivas, nos tetos e nas paredes. Esses sussurros que comunicam no espaço pretensiosamente ocupado entre minhas orelhas.
-Você reparou nas lições do vento? Nos sons ancestrais que nos aconselham? Faz-se presente no farfalhar das folhas desacreditadas.
-Você ouviu a mudança? Dizem os boatos que trocamos de problemas, mesmo quando as velhas questões permanecem sem resposta.
-  Você sentiu a chegada da frente fria? Vem-se acompanhando de edredons para manter saudável a garganta? Não cometa a falha inevitável de abrigar-se no calor da alcova para refugiar-se dos novos ares frios dos tempos, cujos velhos problemas são vindouros.
Já o fizestes?  Não tem problema, todas nós o fizemos.
-Você chorou vendo aquele filme indicado ao Oscar?
-Mudou as formas em sua nova depilação pubiana?
-Aparou com a língua uma lágrima salgada de saudade ou de alegria?
Não?
Sim?
Não é a resposta, é a resposta.
A questão não é a validade, mas a disposição para ouvir considerações refinadas como açúcar.
E não é sempre essa a nossa questão? divisão é operação simbólica rejeitada pelo fluxo de nossas torpezas. Mas você, cuja face abriga-se atrás das cabeleiras, escapa-me. Vem constantemente esfumaceando os momentos de escuta. Escuta é o processo menos passivo que há: demanda admirar-se com o espetáculo das palavras ao dançar, e até certa indiferença à mesquinhez do que se diz.

Você ficaria para escutar todas as minhas pequenas porções de história, mesmo se elas forem o que me sobrou para contar?
Você me ouve?
Alguém?
Farfalhar a falar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário